Médio Piracicaba

Jovens brasileiros se mobilizam pela Índia

Jovens brasileiros se mobilizam pela Índia

País está entre os 13 que mais perseguem cristãos no mundo e a Portas Abertas realiza Shockwave, chamando jovens para uma onda de oração pela Índia

O Shockwave é um movimento de oração da Portas Abertas que convida os jovens a orar e se mobilizar em favor de um tema relacionado à Igreja Perseguida. Todos os anos, tradicionalmente no mês de setembro, a organização que apoia mais de 365 milhões de cristãos perseguidos em todo o mundo, sugere um final de semana para que os jovens brasileiros possam se reunir em seus grupos e orar pelo tema proposto.

Neste ano, o tema do Shockwave será a Índia, o 11º país na Lista Mundial da Perseguição 2024. Também é o segundo país com maior população e o sétimo maior em extensão territorial. A nação possui uma variedade imensa de povos, línguas, culturas e religiões.

Religiosidade da Índia

Desde 2014, a Índia é governada pelo BJP, um partido nacionalista hindu que deseja que a Índia tenha uma única religião e cultura: o hinduísmo. Os nacionalistas hindus consideram a fé cristã uma influência estrangeira ameaçadora, então disseminam ódio contra cristãos e outras minorias. Entretanto, a fé cristã na Índia tem quase dois mil anos e já atinge quase 5% da população, cerca de 70 milhões de pessoas.

Há inúmeros deuses e divindades locais, com textos clássicos citando cerca de 333 milhões de deuses. No hinduísmo existem correntes politeístas e outras monoteístas, como o vixenuísmo e o shivaísmo. No entanto, um hindu também pode ser ateu. Além disso, os seguidores da religião podem considerar qualquer coisa sagrada: vacas, rios, árvores, entre outras coisas. Porém, existe uma crença que encontra resistência na religião: o cristianismo e a adoração a um Deus único. Essa ameaça à pluralidade do hinduísmo leva à perseguição.

Como é a perseguição a cristãos na Índia

Considerada a maior democracia do mundo e pregando sua relativa liberdade e força econômica, cristãos na nação se encontram cada vez mais sob ameaça. Essa hostilidade é muitas vezes guiada por uma crença contínua entre alguns extremistas de que indianos têm a obrigação de ser hindus – e qualquer fé além do hinduísmo não é bem-vinda na Índia. Essa mentalidade tem levado a ataques violentos pelo país e impunidade para as pessoas que causaram essa violência, principalmente em lugares onde as autoridades também são nacionalistas hindus.

Cada vez mais estados estão implementando leis anticonversão, criando um ambiente onde qualquer cristão que compartilhar sua fé pode ser acusado de um crime, intimidado, assediado ou até mesmo sofrer alguma violência. As campanhas em massa de “volta para casa” (ghar wapsi, em hindi) continuam, em que nacionalistas hindus colocam uma pressão imensa em cristãos convertidos do hinduísmo, dizendo-lhes para voltarem para a antiga fé.

Cristãos que se convertem do hinduísmo têm mais probabilidade de estar sob intensa pressão ou mesmo violência. Eles podem enfrentar pressão constante para renunciar à nova fé, enfrentam perda do emprego, discriminação no local de trabalho, são vítimas de violência e até mesmo mortos. Líderes de igrejas também estão em perigo em muitas partes da Índia – eles e suas famílias são visados por grupos extremistas para criar medo e caos na comunidade cristã.

Como participar do Shockwave

Chame pelo menos dois amigos para formar um grupo de oração. Um de vocês se inscreve como líder do grupo e receberá um e-mail de confirmação do cadastro com a página de materiais digitais gratuitos para realizar o Shockwave. Os materiais disponibilizados podem ser usados de acordo com o tempo e o formato que vocês desejarem.

Clique neste link para se inscrever e já começar essa onda de oração pelos cristãos perseguidos na Índia.

 

Imagens relacionadas

Há inúmeros deuses e divindades locais, com textos clássicos citando cerca de 333 milhões de deuses
Há inúmeros deuses e divindades locais, com textos clássicos citando cerca de 333 milhões de deuses
Crédito: Portas Abertas
baixar em alta resolução

 

Deixe um comentário